Você sabia que as vacinas são a primeira linha de defesa contra os diversos tipos de doenças infecciosas, além de sua desativação? Sem receberem uma vacina, a criança ou o adolescente pode encarar uma doença grave e até mesmo fatal, que não pode ser tratada. A Academia de Pediatria recomenda diversas vacinas na infância, como a Hepatite B e a catapora, por exemplo.

Saiba que é muito importante a prevenção de doenças entre os 12 e 18 anos de idade, para conferir uma melhor qualidade de vida ao adolescente. Vale ressaltar que muitos indivíduos se preocupam com as vacinas na época da infância e da terceira idade, e se esquecem das vacinas na juventude. Um erro gravíssimo, mas mais comum do que imaginamos! Ainda mais quando temos fatores de risco como o uso de drogas, acidentes, violência, gestação precoce e doenças sexualmente transmissíveis maiores nessa época da vida. A prática sexual tem um começo cada vez mais cedo entre os jovens, e quanto mais precocemente o adolescente se vacinar, maior será a eficiência da prevenção e os resultados também serão mais significativos.

A maior parte dos adolescentes não recebe os reforços de algumas vacinas, não seguindo o calendário de vacinação indicados em casos em que a imunização perde o efeito com o passar dos anos, como acontece com as doses contra a difteria e o tétano, por exemplo. Em outros casos, a vacina pode não ter sido aplicada no jovem durante a época da infância por causa da ausência da dose no período. A vacina contra a Hepatite B pode ser citada como um exemplo dessa inexistência, e ela é super importante por atuar na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e evitar câncer como o de fígado.

Portanto é essencial que os adolescentes coloquem em dia a caderneta de vacinas no posto de saúde mais perto de sua casa.